Guedes: Telecom pode ganhar IVA diferenciado se governadores toparem

Convergência Digital - Telecom


Luís Osvaldo Grossmann ... 15/09/2020 ... Convergência Digital


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça, 15/9, que o setor de telecomunicações pode ser beneficiado com uma alíquota diferenciada do novo IVA – que começa com a união de PIS e Cofins – caso os governadores aceitem ganhar menos. A mensagem foi dada às operadoras durante a participação do ministro no Painel Telebrasil 2020. 


“Em telecomunicações tem temas importantíssimos, antenas, imposto, 5G. E particularmente sei da sensibilidade sobre o IVA, que bate mais aí. Chegamos a estudar se o IVA teria duas alíquotas, uma um pouco mais baixa para telecomunicações, educação e saúde. Mas estamos ainda tentando um acoplamento com os governos estaduais. Se conseguirmos esse acoplamento, podemos, durante essa conversa, analisar essas duas alíquotas”, afirmou Guedes. 


A participação do ministro, inicialmente prevista para 9h, foi adiada para 12h porque ele foi chamado a uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro na qual foi finalmente descartada a criação do Renda Brasil, a substituir o Bolsa Família. O impacto da decisão do presidente parece ter sido forte sobre o ministro, que durante a maior parte de sua manifestação buscou minimizar o vídeo que  Bolsonaro disseminou nas redes sociais ainda durante o encontro com o ministro. “Eu já disse há poucas semanas que jamais vou tirar dinheiro dos pobres para dar aos paupérrimos. Quem porventura vier propor para mim uma medida como essa, eu só posso dar um cartão vermelho para essa pessoa”, afirmou Bolsonaro. 


 


Embora tenha se dirigido durante mais de uma hora em participação online no Painel Telebrasil, o encontro com o presidente predominou. “A mídia fez uma ilação de que ia tirar dos pobres. E o presidente então falou, que já que estão dizendo que vou tirar do pobre, então descredenciou a ideia. Não vai ter mais Renda Brasil. Estão distorcendo tudo', insitiu. “Quem tomou cartão vermelho não fui eu, foi o Renda Brasil."

Voltar