5G com maior carga tributária do mundo é telhado sem alicerce

Convergência Digital - Telecom


Luís Osvaldo Grossmann ... 15/09/2020 ... Convergência Digital


Em que pese todo o palavreado bonito que ronda o potencial do 5G, esperar que os benefícios da tecnologia cheguem efetivamente aos brasileiros é um contrassenso diante do tamanho da carga tributária que pesa sobre o setor de telecomunicações. Essa encruzilhada deu a tônica dos debates desta terça, 15/9, no Painel Telebrasil 2020. 


“No Brasil, a gente adora discutir o telhado sem preparar os alicerces. Quando se fala em 5G, em telemedicina, em educação à distancia, temos que lembrar que o consumidor é brindado com uma carga tributária que é a primeira ou segunda maior do mundo. É no mínimo um contrassenso, uma miopia, ou falta de vontade política”, anotou o presidente da Claro, José Félix. 


O tema é recorrente no setor e mais uma vez vai dominando o evento anual de posicionamento político de telecom. E as propostas de reforma tributária em debate parecem gerar ainda mais preocupações. “O país tem R$ 3 trilhões em dívidas tributárias de devedores da União que podem ser perseguidos em vez de se falar em aumento de carga de um setor para compensar outros”, lembrou a presidente da Feninfra, Vivien Suruagy. 


Ela apontou que a proposta já enviada pelo governo, que unifica PIS e Cofins e unifica o índice em 12%, aumenta a carga de telecom. “Se nos ativermos a essa ideia, vamos ter um aumento médio de 5%, totalmente inviável para qualquer setor. Fomos assombrados por uma pessoa do governo que disse que a maioria das empresas teria redução e que o setor de serviços não estava entendendo. Outra disse que não seria um grande aumento e que podemos passar o custo para o consumidor”, lamentou. 


 


“Falamos muito de reforma tributária, mas temos que falar é de redução tributária. Somos altamente tributados, recolhemos anualmente em torno de R$ 65 bilhões. Desde 2001, foram R$ 100 bilhões para fundos setoriais que aplicaram apenas 8%. O Brasil tem a maior carga tributária do mundo, o dobro do segundo colocado, em média de 47,5%, mas chega a 59%. É fora de propósito. E é uma carga que nos últimos tempos aumentou 223% enquanto a receita das empresas cresceu 140%. Caíram as margens, caiu a capacidade de investimento. É muito arriscado investir em telecomunicações no país.”

Voltar