O Rádio Hoje | Menos é mais: Rádio tem o menor declínio entre os principais meios e aponta retomada na França

TUDO RÁDIO

Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2020 @ 07:31


Assim como foi observado no Brasil e em outros mercados, o rádio francês também conviveu com o cenário de "crescimento de audiência e queda no faturamento" durante a pandemia do novo coronavírus. Um levantamento da IREP (Institute of Research and Advertising Research), que mede os investimentos em anúncios na França, apontou que o rádio foi o veículo de massa que teve a menor retração durante a fase aguda do isolamento social. E os números mais recentes mostram uma retomada do setor, com um verão europeu considerado positivo para o rádio. Acompanhe:


Segundo o IREP, no primeiro semestre de 2020, a receita líquida de publicidade de todos os meios de comunicação na França foi de 5,230 bilhões de euros, significando uma queda de 22% em relação ao primeiro semestre de 2019. O cinema liderou em recuo, com 58,6% de retração, seguido pelo OOH (-43,3%), mídia imprensa (-30,9%), televisão (-26,9%) e, por fim, o rádio com uma retração de 21,6%.


Dos veículos de massa, o rádio era o meio que tinha o melhor desempenho em 2019, antes da pandemia. O meio obteve um avanço de 1.3% no primeiro semestre do ano passado), seguido pela TV que teve um incremento de 0.2% no mesmo período. Demais meios, como imprensa e o correio publicitário já estavam em queda em 2019.


Cenário futuro mais positivo para o rádio francês


Ainda segundo o levantamento, o rádio recupera um pouco de vigor já em 2020. As projeções do mercado francês já mostram uma tendência de redução da queda observada nos primeiros meses da pandemia do novo coronavírus. 


"O relatório está mais positivo e observamos retomada da atividade a partir do fim do confinamento e volumes de publicidade no mesmo patamar do ano passado em junho. O período de verão foi favorável à mídia já que os volumes eram maiores que no ano passado todas as semanas", aponta o relatório do IREP.


O relatório do IREP aponta que, após uma queda acentuada no mercado publicitário em março e abril, houve uma recuperação acentuada assim que o isolamento e as quarentenas foram mais flexibilizadas, já nos meses de maio e junho. E o levantamento também destaca que a recuperação continuou durante os dois meses do verão. 


 


A expectativa, segundo o levantamento, é de a recuperação no volume publicitário da mídia continue até o final do ano, mas em ritmo mais lento devido às incertezas que persistem tanto na saúde quanto na economia. 



 


Por formato


O levantamento da IREP, apresentado pela BUMP (Baromètre unifié du marché publicitaire), em parceria com a Kantar e a France PUB, detalhou as retrações publicitárias no rádio francês em relação à operação do meio.


Esse recuo de 21,6% é a média total no volume de anúncios, sendo que as rádios de jornalismo/talk tiverem uma queda publicitária menos acentuada durante a pandemia (-13%), enquanto as musicais a retração foi maior (-23%). Os dados são relacionados ao primeiro semestre de 2020 contra o mesmo período de 2019.


Chama a atenção que os programas locais das estações foram menos impactados do que a média geral, com uma redução de 15% no volume de anúncios, 13% de retração no número de spots, mas com estabilidade no número de anunciantes. 


Porém, com a maior flexibilização vista no mercado francês, a possível retomada estimada para até o final de 2020 deixa o setor mais otimista com a sua atuação. Vale lembrar que as emissoras francesas, inclusive as musicais, registraram volumes históricos de audiência enquanto suas receitas recuaram durante a pandemia.


 


Outro dado otimista é relacionado à audiência de verão, superior em 2020 na comparação com 2019. A medição do ACPM mostra o crescimento da escuta de rádio digital, com o tempo de escuta aumentando 10% em um ano (julho-agosto de 2020 vs. julho-agosto de 2019), totalizando 223 milhões de horas de escuta no verão de 2020 contra 203 milhões em 2019.



 


Comportamento da retração publicitária no rádio francês durante o auge da crise imposta pelo novo coronavírus. Divisões por formatos de estações e modelos publicitários


 


Com informações do portal La Lettre Pro

Voltar