Seguindo tendência global entre jornais impressos, Estadão adota formato berliner

PORTAL IMPRENSA

Redação Portal IMPRENSA | 15/10/2021 15:49


Estreia neste domingo, 17 de outubro, a nova versão impressa do Estadão. O destaque da mudança, considerada a mais marcantes ao longo dos 146 anos de existência do jornal, é a adoção do formato conhecido como germânico ou berliner. 


Menor do que o tradicional formato standard, também chamado “jornalão” por permitir que a página seja dobrada no meio durante a leitura, o berliner tem 31,5 cm por 47 cm. 


É, portanto, maior do que o formato tabloide, quase do tamanho de uma revista, que o jornal não quis adotar por entender que ele está associado a um jornalismo mais apelativo.


 


Crédito:Reprodução Facebook



 


Além da mudança de formato, a transformação da versão impressa do Estadão contará com novas seções que "priorizam o aprofundamento e o contexto dos fatos".


As mudanças levaram em consideração as expectativas dos leitores, que foram ouvidos desde o início do projeto de transformação, iniciado 11 meses atrás.


Berliner pelo mundo


Considerado mais fácil de manusear, ler e carregar, o formato berliner vem sendo adotado por jornais de vários países. 


Na Europa os pioneiros foram os suecos, que começaram usando o berliner em suplementos sobre gastronomia, turismo e cultura, para depois aderir integralmente à ideia. 


Na Inglaterra, o bicentenário Guardian puxou a fila e migrou para o berliner em 2005. Atualmente outros títulos importantes da imprensa inglesa são impressos nesse formato. 


O mesmo ocorre com Le Monde e Le Figaro, na França, La Stampa e La Repubblica, na Itália, e o Expresso, em Portugal.


Segundo o Estadão, o novo formato estimula um tempo de leitura maior, confere mais eficácia na assimilação do conteúdo e otimiza a geração de impacto do conteúdo publicitário.


Hoje o formato também é adotado na Coreia do Sul, pelo diário JoongAng Ilbo, e pelo principal jornal de língua inglesa dos Emirados Árabes, o Gulf News.


 


Na América Latina, o jornal El Comercio, de Lima, mudou para o germânico recentemente, assim como o La Nación, da Argentina, e os chilenos La Tercera e El Mercurio.

Voltar