Estudo revela aumento em 90% de procura por sites confiáveis

Meio & Mensagem-Últimas Notícias

Pesquisa realizada pela Censuswide para a Teads aponta que mais de um terço dos brasileiros lê mais de seis notícias por dia


15 de maio de 2018 - 11h26


No Brasil, a pulverização de fake news aumentou em 90% a probabilidade de pessoas procurarem notícias em sites confiáveis, segundo uma pesquisa encomendada pela Teads e realizada pela Censuswide.


O estudo “In News We Trust” entrevistou, via questionário online, 16 mil consumidores dos EUA, França, Alemanha, Itália, México e Brasil. A média dos países participantes foi de 75% de procura por sites confiáveis. No corte global, os internautas consomem notícias entre uma e cinco vezes ao dia, usando principalmente a internet.


Aqui, cerca de um terço dos entrevistados mantêm essa estatística, enquanto 35% têm uma frequência de consumo de mais de seis vezes ao dia. Nos  EUA 50% dos consumidores são mais propensos a ler notícias em seu laptop/computador, enquanto no Reino Unido essa porcentagem é de 40%. No Brasil, o número chega a 76%.


A atenção dos entrevistados é diferente, dependendo da mídia. Levando em conta os países pesquisados, notícias veiculadas na internet, em comparação com jornais, revistas e rádio, são as que despertam maior interesse em 59% dos consumidores.


No Brasil, 79% dos entrevistados brasileiros afirmam estar fortemente atentos às notícias online, enquanto a televisão retém a atenção de 69% deles. Quando perguntados sobre a sua relação com a publicidade, 51% estão atentos aos anúncios online e apenas 34% reparam nos anúncios impressos.


Redes sociais
Segundo a pesquisa, as redes sociais são consideradas a fonte menos confiável de notícias, bem como de consumo de publicidade e conteúdo de marca. Apesar de representarem uma fonte de notícias para 62% dos entrevistados, apenas 11% deles confiam no que leem nas plataformas, anúncios ou conteúdos.


Quando o assunto é publicidade, mais de 45% dos entrevistados citaram, também, a qualidade do conteúdo como a principal característica que influencia a lembrança de um anúncio.


 


 

Voltar