EUA revogam vistos de sauditas ligados a assassinato de jornalista

Folha de S. Paulo-Mundo

Secretário de Estado disse que estas são primeiras sanções após homicídio de Jamal Khashoggi


   
O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, fala à imprensa em entrevista coletiva em Washington - Cathal McNaughton - 23.out.18/Reuters


23.out.2018 às 19h09


  Washington e Ancara


O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse nesta terça-feira (23) que o governo de Donald Trump está revogando os vistos de agentes da Arábia Saudita envolvidos no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.


Estas foram as primeiras punições da Casa Branca à morte do saudita, que era colaborador do jornal americano The Washington Post. O secretário declarou que haverá novas retaliações à monarquia do golfo Pérsico devido ao crime.


“Essas penalidades não serão as últimas dos EUA. Vamos deixar muito claro que os Estados Unidos não vão tolerar este tipo de ação implacável para silenciar o senhor Khashoggi, um jornalista, por meio da violência.”


O anúncio é feito horas após o vice-presidente, Mike Pence, mencionar que haveria resposta americana. Já Trump considerou o homicídio o pior encobrimento da história —o regime saudita alega que a morte foi acidental.


“O plano original foi muito ruim. Foi executado muito mal, e o encobrimento foi um dos piores da história”, disse. “Foi um plano ruim, não deveria sequer ter sido pensado. Alguém realmente estragou tudo”.


Khashoggi morreu no dia 2 no consulado saudita em Istambul, onde foi para buscar documentos para se casar com sua noiva, Hatice Cengiz. O jornalista entrou na representação diplomática, mas não saiu mais do local.


As autoridades sauditas prenderam 18 pessoas relacionadas à morte. Já a Turquia afirma que o assassinato foi um plano premeditado com a participação de agentes da monarquia que foram à cidade para executar o crime.


Nesta terça, o líder turco, Recep Tayyip Erdogan, criticou Riad por atribuir a morte a agentes que se excederam e exigiu uma busca completa para poder revelar os autores e os mandantes do assassinato do jornalista.


Associated Press e Reuters


 


 


 

Voltar