Jornal inglês homenageia jornalistas assassinados em 2018

Observatório da Imprensa-Artigos


(Foto: Reprodução)


Reportagem do jornal The Guardian, com o título original “Killed for speaking the truth”, publicada na semana passada, homenageia nove jornalistas assassinados em 2018. A reportagem fala em 30 mortes de profissionais da imprensa no ano. Entre os homenageados, está o jornalista brasileiro Jefferson Pureza Lopes (1979 a 2018). Produtor e apresentador da Rádio Beira Rio FM em Edealina, Goiás, foi assassinado em sua casa com três tiros no rosto. No final de 2017, meses antes de ser morto Jefferson publicou um vídeo no facebook depois que a rádio em que ele trabalhava foi atacada e incendiada.


Reportagem publicada pelo G1 informava em fevereiro que um vereador foi preso suspeito de ser o mandante do crime.


Os outros jornalistas homenageados pelo diário inglês são de várias partes do globo e se destacam por serem jovens. De Maharram Durrani, produtora e estagiária de uma rádio no afeganistão, morta por um homem bomba, à Ghaith Hammour criador do site de notícias Sy24 na Síria, assassinado aos 26 anos.


Em fevereiro, os corpos de Kuciak, um jornalista investigativo do site de notícias eslovaco Aktuality.sk, e a noiva Martina Kušnírová foram encontrados em seu apartamento: ambos foram baleados, sem sinais de luta. Pavla Holcová, jornalista tcheco que trabalhou ao lado de Kuciak em sua última investigação, diz sobre o amigo. “Trabalhamos juntos no Panama Papers e no Paradise Papers, mas, nos 18 meses que antecederam sua morte, estivemos explorando uma enorme história sobre possíveis vínculos entre o primeiro-ministro eslovaco e um ramo da máfia italiana, o ‘ Ndrangheta.”


A youtuber Leslie Ann Pamela (1985-2018) é umas cinco jornalistas mexicanas mortas este ano. Ela foi executada por um atirador em um restaurante. “Nana Pelucas”, como ela se chamava, zombava da política local, corrupção e funcionários do governo em seus vlogs regulares, como este, onde zomba dos parentes do então presidente mexicano Enrique Peña Nieto. Ela recebeu uma série de ameaças de gangues criminosas no ano que antecedeu seu assassinato.


 


Entre os homenageados também está Rob Hiassen,editor assistente e colunista da Capital Gazette em Maryland, EUA. Em 28 de junho, um atirador entrou na redação e atirou e matou Hiaasen, junto com Gerald Fischman, John McNamara, Rebecca Smith e Wendi Winters. Um suspeito foi acusado e aguarda julgamento. A homenagem do The Guardian se baseia em depoimentos de colegas e amigos e em textos escritos pelos próprios jornalistas assassinados.

Voltar